Preciso de um pouco mais de vitalidade. Tenho tido uma sensação de velhice, de desânimo e, principalmente, de desamor.

Caio F. Abreu

Preciso de um pouco mais de vitalidade. Tenho tido uma sensação de velhice, de desânimo e, principalmente, de desamor.

Caio F. Abreu

caiofernandodeabreu:
Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga. E a gente lembra. E já não dói mais. Mas dá saudade. Uma saudade que faz os olhos brilharem por alguns segundos e um sorriso escapar volta e meia, quando a cabeça insiste em trazer a tona, o que o coração vive tentando deixar pra trás.

 Caio Fernando Abreu

caiofernandodeabreu:

Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga. E a gente lembra. E já não dói mais. Mas dá saudade. Uma saudade que faz os olhos brilharem por alguns segundos e um sorriso escapar volta e meia, quando a cabeça insiste em trazer a tona, o que o coração vive tentando deixar pra trás.

 Caio Fernando Abreu

O problema é a espera. Esperamos. Das pessoas, das coisas, dos fatos, de nós mesmos.

Caio F. Abreu 

O problema é a espera. Esperamos. Das pessoas, das coisas, dos fatos, de nós mesmos.

Caio F. Abreu 

"Preciso de alguém, e é tão urgente o que digo. Perdoem excessivas, obscenas carências, pieguices, subjetivismos, mas preciso tanto e tanto."
"Eu tive tanto amor um dia…"
Mas gosto, gosto das pessoas. Não sei me comunicar com elas, mas gosto  de vê-las, de estar ao seu lado, saber suas tristezas, suas esperas,  suas vidas. Às vezes também me dá uma bruta raiva delas, de sua  tristeza, sua mesquinhez. Depois penso que não tenho o direito de julgar  ninguém, que cada um pode — e deve — ser o que é, ninguém tem nada com  isso. Em seguida, minha outra parte sussurra em meus ouvidos que aí,  justamente aí, está o grande mal das pessoas: o fato de serem como são e  ninguém poder fazer nada. Só elas poderiam fazer alguma coisa por si  próprias, mas não fazem porque não se vêem, não sabem como são. Ou, se  sabem, fecham os olhos e continuam fingindo, a vida inteira fingindo que  não sabem.

Caio F. Abreu

Mas gosto, gosto das pessoas. Não sei me comunicar com elas, mas gosto de vê-las, de estar ao seu lado, saber suas tristezas, suas esperas, suas vidas. Às vezes também me dá uma bruta raiva delas, de sua tristeza, sua mesquinhez. Depois penso que não tenho o direito de julgar ninguém, que cada um pode — e deve — ser o que é, ninguém tem nada com isso. Em seguida, minha outra parte sussurra em meus ouvidos que aí, justamente aí, está o grande mal das pessoas: o fato de serem como são e ninguém poder fazer nada. Só elas poderiam fazer alguma coisa por si próprias, mas não fazem porque não se vêem, não sabem como são. Ou, se sabem, fecham os olhos e continuam fingindo, a vida inteira fingindo que não sabem.

Caio F. Abreu

Não se concentre tanto nas minhas variações de humor, apenas insista em  mim. Se eu calar, me encha de palavras, me faça querer dizer outra e  outra vez sobre você, sobre nós, e todo esse amor. Se eu chorar, não me  faça muitas perguntas, não precisa nem secar minhas lágrimas. Só me diz  que você continuará comigo pra tudo, que tenho teu colo e teu carinho. E  ainda que te doa me ver assim, me envolva nos teus braços e diga que eu  posso chorar, mas que você não sairá dali enquanto eu não sorrir.  Porque é isso que nos importa, não é? O sorriso um do outro. 

Caio F. Abreu

Não se concentre tanto nas minhas variações de humor, apenas insista em mim. Se eu calar, me encha de palavras, me faça querer dizer outra e outra vez sobre você, sobre nós, e todo esse amor. Se eu chorar, não me faça muitas perguntas, não precisa nem secar minhas lágrimas. Só me diz que você continuará comigo pra tudo, que tenho teu colo e teu carinho. E ainda que te doa me ver assim, me envolva nos teus braços e diga que eu posso chorar, mas que você não sairá dali enquanto eu não sorrir. Porque é isso que nos importa, não é? O sorriso um do outro.

Caio F. Abreu

Que sejamos livres de preconceitos. Que nenhum de nós se esqueça da  força que possui. Que não nos falte fé e amor.

Caio F. Abreu

Que sejamos livres de preconceitos. Que nenhum de nós se esqueça da força que possui. Que não nos falte fé e amor.

Caio F. Abreu

"Nessa estrada quero achar gente doce, límpida, verdadeira e disposta. Quero topar com luz, desapego e paz."